Convento e igreja de Santa Teresa de Jesus

EDIFÍCIOS E ESTRUTURAS CONSTRUÍDAS RELIGIOSOS
Convento

Classificação tipológico-funcional e cronológica: arquitetura religiosa, maneirista e barroca

Região de Lisboa e Vale do Tejo, Lisboa, Lisboa, Carnide, Rua do Norte, n.º 33-47

Proteção:
MIP – Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria n.º 740-DN/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 de 24 dezembro 2012
Incluído na Zona Antiga de Carnide-Luz

O convento de Santa Teresa de Jesus, de religiosas carmelitas descalças, foi fundado em 1642, pela princesa Micaela Margarida, filha natural do imperador Matias da Alemanha, com a aprovação de D. João IV, em terrenos doados para o efeito por por João Gomes da Mata, correio-mor do reino. Em 1650, a Infanta D. Maria, filha natural do Rei D. João IV, ingressou no convento, aos seis anos de idade.  Com a morte da princesa Micaela, madre do convento, em 1663, a infanta D. Maria tornou-se a grande impulsionadora das obras na parte conventual e igreja realizadas entre 1663 e 1667. O terramoto de 1755 provocou danos consideráveis no edifício, obrigando à reconstrução da parte conventual.  Após a extinção do convento no século XIX, com a morte da última religiosa, o edifício sofreu sucessivas alterações para o adequarem às novas funções, sendo atualmente um lar para a terceira idade.
O convento, com desenho de João Nunes Tinoco, apresenta planta irregular, estruturada em torno do claustro quadrangular, situado a norte do corpo da igreja. Exceptuando esta localização pouco habitual do claustro, o conjunto edificado segue, em termos tipológicos, a organização corrente dos conventos beneditinos originais, virado para o interior, como era preceito em conventos das freiras de clausura da Ordem das Carmelitas Descalças.
A fachada principal está organizada em dois pisos, com vãos de diversa morfologia, em que se destaca a porta de acesso à primitiva portaria conventual, encimada por nicho de cantaria onde se integra a imagem esculpida de S. José com o Menino.

Fachada de acesso à primitiva portaria conventual
Fachada de acesso à primitiva portaria conventual

No extremo sul deste alçado, salienta-se a fachada principal da igreja, enquadrada por pilar e cunhal e rematada por frontão triangular. O portal, situado no eixo, é encimado por pedra de armas da infanta D. Maria e por um nicho envidraçado com a imagem Santa Teresa.

Fachada da igreja

A igreja apresenta planta longitudinal em longitudinalmente em cruz latina, com uma cobertura em abóbada de berço na nave e abóbada de aresta no cruzeiro. As coberturas são preenchidas por pintura ornamental de grotescos atribuída a Inácio de Oliveira Bernardes e José da Costa Carneiro. As paredes estão forradas, até meia altura, com painéis de azulejos de azulejos azuis e brancos figurativos dos séculos XVII e XVIII, encimados por grandes telas de Bento Coelho da Silveira, Inácio de Oliveira Bernardes e José da Costa Negreiros. No transepto, abrem-se dois altares com frontais de azulejos polícromos seiscentistas. O topo da capela-mor apresenta-se sem decoração, com um revestimento marmóreo na parede fundeira.

Igreja: interior
Interior da igreja
Detalhe da decoração de grotescos da cobertura, com as armas das Carmelitas
Detalhe da decoração de grotescos, com as armas das Carmelitas

Na lateral direita do altar, existe uma janela gradeada, de ferro, com espigões e portadas de madeira na parte anterior, através da qual as religiosas assistiam à missa, bem como uma pequena portada dourada, por onde recebiam a comunhão.
A sepultura da fundadora, assinalada por registo epigráfico, encontra-se num vão com divisória de ferro, no lado da Epístola. Num compartimento contiguo à capela-mor, revestido por painéis de azulejo com cenas da vida de Santa Teresa, encontra-se um arcossólio com o monumento fúnebre da infanta D. Maria, numa composição de embrechados.

Igreja: compartimento anexo ao altar
Compartimento anexo ao altar

Na zona conventual, o claustro, em cujo centro, se encontra a Fonte da Saúde, é constituído por quatro alas, uma das quais, a sul, é contígua ao corpo da igreja e permite acesso direto ao transepto. Nos ângulos, salientam-se altares com frontais de azulejos polícromos, tendo as armas das Carmelitas como motivo central. As alas apresentam silhares de azulejos azuis e brancos com decoração de albarradas.

Ala do claustro
Ala do claustro

Em conformidade com a Lei da Extinção das Ordens Religiosas, o convento encerrou em 1891, por morte da última freira, ficando em poder do Estado. Desde essa altura, o edifício teve por vários proprietários e diferentes usos: Congregação das Irmãs de São José de Cluny, entre 1892 e 1910; Asilo das Velhinhas de Palhavã, depois designado de Carnide, entre 1929 e 1949; Confraria de São Vicente de Paulo, até à atualidade.
Proveniente do convento de Santa Teresa, um presépio monumental, de autoria do escultor António Ferreira, foi integrado, em 1916, de forma dispersa, no espólio do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, onde, atualmente, se encontra exposto, depois de uma longa intervenção de restauro. Em consonância com o modelo dos presépios barrocos, este apresenta os temas da Natividade, do Anúncio aos Pastores, da Adoração dos Magos e da Fuga para o Egipto, entre cenas populares, anjos músicos e glória de anjos.

Presépio: Adoração dos Pastores António Ferreira (ativo 1701-1750) Prov. Convento de Santa Teresa de Carnide Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Presépio: Adoração dos Pastores
António Ferreira (ativo 1701-1750)
Prov. Convento de Santa Teresa de Carnide
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Fontes:
Calado, M., & Ferreira, V. M. (1993). Lisboa: Freguesia de Carnide. Lisboa: Contexto.
Consiglieri, C. (1993). Pelas freguesias de Lisboa (v. 1): O termo de Lisboa: Benfica, Carnide, Ameixoeira, Charneca, Lumiar. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, Pelouro da Educação.
Dionísio, J. A. S. A. (1991). Guia de Portugal (v. 1): Generalidades: Lisboa e arredores. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Pereira, G. (1910). Pelos subúrbios e visinhanças de Lisboa. Lisboa: Livraria Clássica.
SIPA. (s.d.). Inventário do património arquitetónico: Mosteiro de Santa Teresa de Jesus de Carnide / Asilo de São Vicente de Paula de Carnide. Acedido em http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=5151

Documentos fotográficos
Convento de Santa Teresa de Jesus em Carnide, painel de azulejos
Serôdio, A., 1960
Lisboa, Arquivo Municipal de Lisboa
conv_sta-teresa_2 conv_sta-teresa_3 conv_sta-teresa_4 conv_sta-teresa_5 conv_sta-teresa_1

Autores: Bruna Carvalho, Maria Rodrigues, Daniela Bambo, Marta Monteiro
Data: 2016

Ver Google Maps

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search