Capela (Quinta do Bom Nome)

“Tem vasta e rica capella, onde, em tempo, esteve provisoriamente a parochial de S. Lourenço […]. É adornada de boas esculpturas e possue quadros de merecimento artistico, varias copias de bons autores e, entre outros, um que parece do pincel do nosso fertilissimo Pedro Alexandrino. É consagrada a Nossa Senhora das Mercês, e d’ahi, proveio a denominação, por que, por muito tempo foi conhecida.”  (Pereira, 1914, p. 415).

A capela apresenta planta rectangular de nave única e abside na continuação da nave com porta lateral de acesso ao exterior e diversos acessos ao interior. Na separação entre a nave e o altar, eleva-se um degrau com a grade de altar, aberta ao centro por cancela de portada dupla, encimado por arco ligeiramente rebaixado.

Capela: vista sobre o altar

Capela: vista sobre o altar

É totalmente decorada com estuques policromos, criando painéis moldurados em imitação de marmoreados, e silhares de azulejo com decoração azul, manganês, verde e ocre.

Descrição estilística
Decoração de estilo Rococó com concheados e motivos naturalistas com imitações de marmoreados e utilização de outras cores para além do azul-cobalto.
Retábulo com estrutura e decoração de gosto neoclássico.

Zona do altar

Altar e retábulo

Altar e retábulo

Altar
O altar em forma de caixa de secção retangular onde no topo do qual, ao centro se insere a cavidade para a ara. Na retaguarda do altar ergue-se a banqueta, sobre a qual se encontra o sacrário em forma de templete e porta decorada com o cálice encimado pela hóstia, compondo uma alegoria eucarística, sobre nuvem e envoltos por auréola radiante.

Sacrário

Sacrário

Retábulo
O retábulo com duas colunas estriadas, com fundo de marmoreado azul e filetes lisos verticais a ouro, com capitéis jónicos em talha dourada e frontão triangular interrompido por um medalhão circular raiado com o emblema AM [Ave Maria].
Camarim e trono
O camarim abre-se em arco de volta redonda, simulando assentar sobre pequenas mísulas que ladeiam o sacrário. Paredes e teto do compartimento pintadas em estofo com motivos florais sobre fundo branco. O acesso ao camarim faz-se por duas portas baixas dissimuladas nos painéis do lambrim que ladeia o altar.
Ao centro ergue-se o trono com dois degraus em forma troncopiramidal invertida, encimado por nicho em arco de volta perfeita ladeado por pilastras encimadas por urnas com flores. O nicho, com o interior decorado com estrelas sobre fundo azul, serviria para colocação de uma imagem sagrada, provavelmente uma representação da Virgem em consonância com a temática iconográfica da capela.

Camarim e trono

Camarim e trono

Cancela
A cancela é constituída por painéis moldurados com fundo marmoreado e porta de dois batentes, podendo funcionar como mesa de comunhão.

Teia de altar (com mesa de comunhão)

Cancela de altar (com mesa de comunhão)

Nave
Silhar de azulejos
Em todo o perímetro da capela, à excepção da parede do altar, corre um silhar de azulejos de composição ornamental e simbólica. Rodapé de três azulejos de altura, com fundo esponjado ocre e cartelas retangulares de cantos recortados, com molduras em manganês e fundo de marmoreado a azul-cobalto ou listado com motivo floral ocre. Barra de nove azulejos de altura, com cartelas concheadas em manganês e ocre, sobre fiada de esponjado manganês, ladeadas por ramagens verdes presas por filactera e separadas entre si por reservas pentagonais de perfis côncavos e remate superior retilíneo, e fundo marmoreado em tons de ocre. Nos extremos, volutas perspetivadas em manganês com decoração vegetalista a ocre.
Cartelas preenchidas por glórias entre nuvens, no centro das quais se apresentam símbolos marianos, conjugados com o texto inscrito numa reserva aberta no registo inferior.
Os símbolos marianos retirados das litanias da Virgem são a estrela, a lua, a fonte, a coroa, o sol, a rosa e o lírio, cujo significado é elucidado pela citação de versículos do Antigo Testamento (à exceção da coroa), cujas referências apresentam algumas incorreções.

Silhar de azulejo: lua

Silhar de azulejo: lua

Silhar de azulejo: rosa

Silhar de azulejo: rosa

Transcrição das inscrições
[Estrela] Estrella resplandecente q[ue] affugentou as treuas do peccado. Sim, 6 [por Sir 50, 6]
[Lua] Formosa como a Lua. Cantic. Cap. VI, v3 [por Ct 6, 10]
[Fonte] Eu sou huma Fonte sellada Cantic. Cap. IV. V. 12
[Coroa] A Bem aventurada Vir[tu]de coroa-se com a coroa de todos os santos Joaõ de S.  gem. Liv. I do ceo e clement. Cap XXXXVIII
[Sol] Escolhida como o Sol. Cantic. Cap. VI, v. 3. [por Ct 6, 10]
[Rosa] Como a Rosa plantada em Jerichó Ecclesiastic. Cap. XXIIII. V. 18. [Sir (antigo Eclesiástico) 24, 14)
[Flor/lírio] Eu sou a Flor dos campos e o Lirio dos vales. Cantic. Cap. II. V. 1.
Interpretação
O sol e a lua são símbolos marianos a partir do texto do Cântico dos Cânticos [Electa ut Sol, pulchra ut Luna] que a teologia cristã aplica à Virgem e em consonância com a descrição do Apocalipse de São João “E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça” (Ap. 12, 1). A fonte selada , ou o poço de águas vivas, procede igualmente do Cântico dos Cânticos [fons signatus] e associa-se ao tema da Anunciação, a partir dos textos apócrifos que narram o primeiro contato da Virgem com o anjo Gabriel junto à fonte onde enchia um cântaro de água, numa clara analogia com o mistério da encarnação e com o sentido de fonte de vida e regeneração. A estrela deriva também da referência apocalíptica.
O lírio constitui outra referência ao Cântico dos Cânticos (flos campi et lilium convallium), onde (Cant. 2, 2) surge também como o lírio entre espinhos (lilium inter spinas). Como emblema de pureza, tornou-se um dos atributos no tema da Anunciação.
A rosa, enquanto símbolo mariano, surge a partir do Eclesiastes [rosae in Hiericho], em alusão à propriedade regenerativa da planta do deserto. A analogia à rosa de Jericó, com cento e cinquenta folhas, reflete-se no mesmo número das invocações angélicas (Ave Maria) durante o rosário. Na simbologia medieval, o rosal no paraíso representado no paraíso, representava Eva, pelo que à Virgem, a anti-Eva, se associava a rosa isenta de espinhos, símbolo também da fragilidade e caducidade da alma tentada pelo pecado. A mesma leitura se aplica ao lírio entre os espinhos a rosa branca é o emblema da Virgem e, ao mesmo tempo que indica a salvação, a pureza e a devoção, traduz um superlativo (flor entre as flores e a rosa das rosas) referindo-se à sua majestade suprema.
A estrela da manhã [stella matutina] é aquela que anuncia o fim da noite, ainda antes da chegada do sol (símbolo cristológico). É, por isso, o símbolo mariano que anuncia a vinda de Cristo e de um novo tempo e uma nova lei.
A estrela [stella matutina] e a rosa [rosa mystica], são invocações na litania laureteana.
A coroa, que não deriva dos textos bíblicos nem das litanias, tem um significado específico em contexto português. D. João IV, após a Restauração da Independência, em 25 de Março de 1646, proclamou que Nossa Senhora da Conceição como Padroeira do Reino, oferecendo-lhe a coroa real que, desde essa altura, na iconografia portuguesa, passa a estar pousada junto às figuras régias, mas não sobre a cabeça, tornando-se um atributo específico da Virgem.
Paredes
Paredes estucadas com marmoreados policromos simulando quartelões moldurados.
A parede fundeira tem uma estrutura harmónica tripartida, com o altar encimado por retábulo, ao centro.
Encostado à parede fundeira, o altar com banqueta sobre a qual se ergue o sacrário, ao centro, e duas colunas nas extremidades definindo o espaço retabular e enquadrando o vão do camarim.
Na parede fronteira ao altar abre-se ao centro uma porta ladeada por dois janelões com o vão preenchido por uma teia o que permite aumentar o espaço da nave para a sala contígua.
Teto
Teto plano sobrelevado sobre perfil convexo, assente em cornija, com decoração de marmoreados fingidos, estruturados em painéis delimitados por faixas lisas convergentes para o medalhão saliente ao centro. Ao longo do perímetro, corre uma faixa com enrolamentos fitomórficos e delicados motivos florais interrompidos por laços aos cantos.

Teto

Teto

Junto ao arco triunfal, ao centro, releva-se a coroa real sobre cartela a cruz de Portugal, atributo que alude a Nossa Senhora da Conceição, cujo culto se afirmava em Portugal desde que D. João IV, após a Restauração da Independência, em 25 de Março de 1646, a proclamara como Padroeira do Reino.

Teto: pormenor

Teto: pormenor

Tribuna
No eixo do altar, no piso superior ao fundo, abre-se a tribuna com parapeito balaustriforme e idêntica decoração de marmoreados. Com acesso reservado ao piso nobre do edifício, permitia que os senhores da casa assistissem às cerimónias litúrgicas sem contacto direto com o pessoal de serviço e a população local que podia aceder pelo portal.

Tribuna

Tribuna

Com idêntica função de tribuna, abre-se sobre o altar, no lado da epístola, um janelão com teia.
Na zona do altar, encontra-se um púlpito  portátil1, cuja tipologia não é frequente.

Púlpito Século XVIII-XIX Lisboa, Universidade Europeia

Púlpito
Século XVIII-XIX

Referências:
Pereira, J. B. (1914). Memórias de Carnide. O Instituto: Revista Scientifica e Literaria, 61(8), 404-422.
Rocca, S. V., & Guedes, N. C. (Eds. lit.), Roque, M. I., Guerreiro, D. (2004). Thesaurus: Vocabulário de objetos do culto católico. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa; Fundação da Casa de Bragança.

Documento fotográfico
Quinta do Bom Nome
Simões, J. S. (Santos Simões), 1960-1970
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
quinta-bom-nome_capela

Trabalho de investigação produzido no âmbito da UC História da Arte em Portugal, no ano letivo 2013-2014
Autoria: Ana Rita Fazenda, Andreia Rodrigues, António Taborda, Cátia Bernardo, Daniel Roda, David Pereira, Djoy Faustino, Filipe Tomada, Gonçalo Pimenta, Marie-Estelle Berthe, Ricardo Carvalho

  1. “Púlpito, facilmente transportável, de pequenas dimensões e não solidário à estrutura arquitetónica.” (Rocca & Guedes, 2004, p. 53, [n.º] 202) []