Covas de pão

EDIFÍCIOS E ESTRUTURAS CONSTRUÍDAS AGRÍCOLAS
Edifícios e estruturas construídas de armazenamento
Silo (cova de pão)

Classificação tipológico-funcional e cronológica: arquitetura de armazenamento, medieval

Região de Lisboa e Vale do Tejo, Lisboa, Lisboa, Carnide, Largo do Jogo da Bola

As covas de pão, ou covas de guardar pão ou cereais, são silos de armazenamento subterrâneos. “[…] em 1908, modificando-se a calçada no Alto do Poço, apareceram duas grandes covas, abertas no solo, de dois metros de fundo por um e meio de diametro, quasi totalmente entulhadas. As paredes estavam nitidas, bem conservadas.”  (Pereira, 1910, pp. 139-140).
A investigação arqueológica identificou e estudou um conjunto de oito silos, em forma de saco, com dimensões médias de 2,2m de altura e 2m de largura máxima, escavados na rocha argilosa e dispostos no sentido este-oeste em duas fiadas irregulares.

Cova de pão

Cova de pão

Nm documento de 1429, D. João I determina que não seja cumprida a ordem dada por Pedro Gonçalves, vedor da fazenda, que estipulava que todos quantos tivessem covas de pão em Carnide não as deveriam abrir sem a presença do requeredor da sisa do pão.

[D. João I determina sobre a abertura das covas de pão em Carnide] 1429-04-27 Lisboa, Arquivo Municipal de Lisboa, AML-AH, Chancelaria Régia, Livro dos Pregos, doc. 297, f. 209v AMLSB/AL/CMLSB/ADMG-E/13/297

[D. João I determina sobre a abertura das covas de pão em Carnide]
1429-04-27
Lisboa, Arquivo Municipal de Lisboa, AML-AH, Chancelaria Régia, Livro dos Pregos, doc. 297, f. 209v
AMLSB/AL/CMLSB/ADMG-E/13/297

Posteriormente, foram entulhados ou serviram como lixeira, o que permitiu recuperar um conjunto de materiais arqueológicos, sobretudo fragmentos cerâmicos e moedas, datados dos reinados de D. Afonso V, D. Mauel I e D. João III.
A abertura de covas era uma técnica de armazenamento de cereais muito utilizada na época medieval, obedecendo a um rigoroso processo seleção do terreno e de construção:

“Para cobrir as covas, silos ou matamorras, se escolhe terreno seco, ou rocha fixa, que não tenha fendas, de modo que se não possa recear que a água filtre pela rocha, nem que haja transpiração húmida. […] Cumpre haver a maior cautela em que o ar não penetre na cova […] emquanto, se a cova está bem tapada e cheia de grão, o ar que nella está contido se muda em acido carbónico, e os insectos ficão amortecidos.” (Matamorras…, 1840, pp. 327-328).

O espaço encontra-se musealizado.

Referências:
Matamorras, ou covas para guardar trigos (1840). O Panorama, 4, pp. 327- 328.
Pereira, G. (1910). Pelos subúrbios e visinhanças de Lisboa. Lisboa: Livraria Clássica.

Autoria: projeto e-Carnide
Data: 2016

Ver Google Maps